A+ a- Texto

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

A informação sobre microcefalia em tempos de zika

Foto: gazetadopovo.com.br

Tenho visto nas mídias sociais, jornais online e televisivos várias notícias acerca da microcefalia, especialmente causada pelo Zika vírus. O que me assusta é a forma como estão abordando o tema, o quanto isso repercute nas famílias que tem crianças com esta deficiência e nas famílias que estão aguardando a chegada de um bebê com mesmo diagnóstico.

A maneira como é conduzida a divulgação sobre a microcefalia tem despertado sentimentos repulsivos de preconceito, seja pela família da criança com deficiência, pessoas da sociedade em geral. Um esclarecimento que encontrei na internet descreve de forma clara.
"Microcefalia é uma condição neurológica rara em que a cabeça e o cérebro da criança são significativamente menores do que os de outras da mesma idade e sexo. A microcefalia normalmente é diagnosticada no início da vida e é resultado do cérebro não crescer o suficiente durante a gestação ou após o nascimento.
Crianças com microcefalia têm problemas de desenvolvimento. Não há uma cura definitiva para a microcefalia, mas tratamentos realizados desde os primeiros anos melhoram o desenvolvimento e qualidade de vida. A microcefalia pode ser causada por uma série de problemas genéticos ou ambientais". Site Minha vida
Destaquei duas parte do trecho acima que mostram uma coisa que poucos estão vendo, microcefalia NÃO É UMA DOENÇA! É uma CONDIÇÃO NEUROLÓGICA RARA, ou seja, não tem contágio, não se pega se estiver perto, se a família cuidar com amor de verdade vai encontrar jeito de saber atender as necessidades especiais que a criança apresentar, não importando o grau de dificuldade que tenha. Se vai andar ou não, claro que todo comprometimento neurológico é preocupante, sabemos que o normal é ser independente, mas se a criança já esta nesta condição o que mais ela precisa é muito amor e respeito de todos. Até mesmo mais sensibilidade dos médicos que dão diagnóstico, porque tem médicos que na tentativa de alertar os pais dizem que a criança vai ter uma vida vegetativa ou vai ter uma expectativa de vida, informando dificuldades com muita certeza de um futuro ainda nem vivido.

Sinto muito dizer, não se pode afirmar com certeza sobre tudo o que vai acontecer, a pessoa precisa estar ciente para possíveis eventos, mas deve-se esclarecer sobre assunto sem terrorismos, porque dependendo da forma como a criança é estimulada o cérebro pode criar novas conexões e conseguir se desenvolver dentro da sua limitação ou até superá-las, cada caso é um caso, não podemos tratar um agravo neurológico como padrão em todas as crianças com microcefalia.

Partindo disso, muitos pais e mães estão criando preconceitos. A divulgação da informação acerca de microcefalia atrelada ao vírus Zika tem causado confusão, e pessoas estão pensando na deficiência como doença, erroneamente. Quando recebem a notícia de que estão gerando um bebê recorrem ao aborto, ou quando recebe a notícia depois nascimento o abandona. A falta no trato da informação para explicar sobre vírus e a microcefalia, que é uma de suas possíveis sequelas, junto a falta de sensibilidade quando se fala desta deficiência tem feito pais e mães literalmente desistirem de seus filhos e filhas.

Foto: doutissima.com.br

Todos nós somos diferentes, ter deficiência exige naturalmente dedicação e amor, quando se tem amor todo sacrifício não é visto como algo super anormal ou muito triste e sofrido, o importante é criar condições favoráveis pra criança se desenvolver e buscar ajuda médica adequada. A sociedade de um modo geral precisa aprender a ter mais sensibilidade e respeito por estar tratando de um ser vivo que nasce, quer ser amado, dar amor e quer ter a chance de viver.